Notícias

O debate da proposta de orçamento de Estado para o próximo ano continua hoje no parlamento


28 Nov 2017 Política


Ontem o Primeiro-ministro desafiou no Parlamento o PAICV a recorrer às instâncias judiciais e a utilizar todos os instrumentos parlamentares para se investigar os alegados casos de corrupção e de falta de transparência nos negócios públicos, em vez de ficar pelas suspeições.


Trata-se, segundo Ulisses Correia e Silva, de uma narrativa para desqualificar o chefe do Governo. Em resposta, Janira Hoppfer Almada reafirmou o desejo do maior partido da oposição de ver avançar as investigações.
 
Este foi um dos momentos mais quentes do debate da tarde de ontem da proposta de orçamento de Estado para 2018, que esteve muito centrado no plano de emergência para fazer face ao mau ano agrícola.
 
Depois de destacar alguns investimentos previstos no documento para o desenvolvimento das ilhas, aproveitando as receitas dos fundos do Turismo e do Ambiente, Ulisses Correia e Silva reagiu às declarações da líder da oposição, Janira Hopffer Almada, que minutos antes tinha falado da falta de transparência que diz existir nos contratos assinados pelo Governo as companhias aéreas Binter e Icelandair.

Ulisses Correia e Silva apelou à confiança da oposição e dos cabo-verdianos na forma como o Governo tem gerido o dossiê da privatização da TACV, mas garantiu que o executivo não receia qualquer investigação judicial ou parlamentar que se queira fazer.

Do lado do PAICV, coube à líder parlamentar reagir ao desafio lançado pelo Primeiro-ministro. Janira Hopffer Almada considera que não pode haver confiança quando o Governo não dá informações aos deputados sobre negócios feitos em nome do Estado cabo-verdiano.
Sobre a abertura do Governo em ver avançar as investigações sobre as denúncias de corrupção e falta de transparência no dossiê privatização da TACV, Janira Hoppfer Almada diz que o PAICV não quer outra coisa senão ver tudo esclarecido.

Sobre este assunto também falou o ministro das Finanças. Olavo Correia reafirmou que a privatização da TACV é um negócio complexo e estratégico para o país, e que o Governo vai em breve prestar todas as informações aos cabo-verdianos.


MCSA - RCV


Comentários

Pesquisar






Publicidade