Notícias

MpD solicita audição ao governador do BCV sobre supostas ligações de bancos comerciais ao tráfico de drogas


Carlos Veiga, líder do MpD que solicitou audição ao governador do BCV sobre supostas ligações de bancos comerciais ao tráfico de drogas [Foto: Marcos Fonseca]
02 Fev 2012 Política

De acordo com o líder ventoinha Carlos Veiga a questão é muito sensível e deve-se pedir a Deus que de facto a situação não seja grave.

O presidente do Movimento para a Democracia (MpD) confirmou ontem (01) que o grupo parlamentar do seu partido solicitou uma audição ao governador do Banco de Cabo Verde (BCV), Carlos Burgo para pedir esclarecimentos sobre supostas ligações de alguns bancos comerciais ao tráfico de drogas, no caso Lancha Voadora.

De acordo com o líder ventoinha Carlos Veiga a questão é muito sensível e deve-se pedir a Deus que de facto a situação não seja grave.

"Por nós do MpD, seria muito bom que viesse a concluir que foi um caso isolado. Por isso que chamamos o Governador do BCV para nos prestar esclarecimentos. Poderíamos estar a tentar cavalgar essa onda, não fazemos", argumenta.

Veiga adianta que disseram que há indícios de que o tráfico de drogas está infiltrado nas instituições financeiras e que esses indício é um jornal como A Semana quem o diz e que depois são os dados que vêm a publico que o confirmam.

"Nós não fizemos mais nada, ninguém nos ouviu falar das pessoas envolvidas. Sofri e sofro dentro do MPD para ter uma oposição mais aguerrida, mas acho que o que estamos a fazer é que é o correcto",justifica.

Com a audição, segundo Veiga, o MpD quer obter informações importantes sobre esta questão já que conforme ele, há indícios que preocupam.

"Achamos que já devia ter sido promovido uma auditoria precisamente para tranquilizar os cabo-verdianos e o mercado e vir nos dizer, não há nada foi um facto isolado. Essa é a melhor notícia que poderiam dar ao País e é isso que esperamos que venha a acontecer".

Segundo presidente do MpD, seu partido ficaria muito preocupado se não fosse essa a notícia mas ressaltou que não podem excluir que isso possa ter acontecido.

"Esta auditoria que exigimos já devia estar em movimento e estranhamos que nem o Governo, nem o Banco Central tenham tomado iniciativas nesse sentido ou se tomaram, ninguém sabe".

Veiga afirmou que o MpD, enquanto oposição responsável, não pode aceitar que não se faça nada, permitindo que perdure no tempo a dúvida suscitada com a divulgação na Comunicação Social de documentos que deveriam ser restritos. A audição ainda não tem data marcada.


Relacionados

Comentários

Pesquisar