“Cabo Verde já começava a contaminar os outros negócios da nossa empresa” - PCA da Bestfly

25 Abril de 2024

A+ A-

O PCA da Bestfly que detém 70% da TICV (Transportes Interilhas de Cabo Verde) confirma as dificuldades operacionais das aeronaves e alega que a companhia é perseguida pela AAC (Agência de Aviação Civil). Nuno Pereira deixa claro que a Bestfly está mesmo de saída do mercado interilhas. “É público e também que o Governo de Cabo Verde já tinha anunciado que iria criar uma nova empresa para transporte aéreo em interilhas, o que vai contra aquilo que seria o nosso acordo, mas por uma questão de cortesia, nós não iríamos fazer nada sem primeiro falar com o Estado de Cabo Verde enquanto nosso sócio e nosso parceiro na TICV. O momento de solicitar a suspensão do AAC por um período de um ano foi para nos permitir reagrupar, organize as ideias. Depois analisar e discutir com os nossos parceiros do Governo e depois tomar a decisão final.

Em entrevista ao programa Quarta à Noite da RCV com o jornalista Moisés Évora, o piloto e gestor admite que a TICV pode ser encerrada, uma decisão que só é tomada depois de falar com o acionista Estado com 30 % do capital social da empresa.

“No momento em que nós tivermos falado com eles e definirmos a estratégia para a frente, faremos o comunicado necessário para os funcionários. Agora, independentemente daquilo que seja a decisão, e se a decisão for realmente de fechar a TICV, que é a nossa intenção, devo lhe dizer claramente, para que não fiquem dúvidas, é a nossa intenção, todos os direitos laborais, volto a repetir, para que não hajam dúvidas, porque uma coisa que acontece muito em Cabo Verde é que as palavras das pessoas são sempre distorcidas. Todos os direitos laborais e trabalhistas, de acordo com a lei de Cabo Verde, serão respeitados pela TICV e, por sua vez, pela BestFly. Se a decisão for o encerramento da TICV, que neste momento é a nossa intenção.”

Nuno Pereira apresenta uma nova versão sobre os 30 % do Estado e diz sem rodeios que se trata de cedência da Bestfly logo no momento da aquisição da TICV à Binter.

"E deixar bem claro, porque há muitas pessoas que em Cabo Verde falam sem propriedade de causa, quando a BestFly comprou a TICV a Binter, é importante que fique claro, comprou 100% da empresa, e cedeu 30% ao Estado de Cabo Verde, como forma de honrar um compromisso que a Binter tinha assumido e que nunca tinha honrado. Portanto, nós pagamos 100% e ficamos com 70%, porque honramos um compromisso que havia sido assumido pela Binter anteriormente. Isto é muito importante que fique claro, porque nunca foi dito também." - Nuno Pereira.

A experiência em Cabo Verde é traumatizante depois do primeiro ano de núpcias. O PCA da BestFly "Nunca vivi, nunca vi uma situação como nós vivemos em Cabo Verde, nos últimos 16, 18 meses. Continuamos a gostar muito de Cabo Verde, gostamos mesmo muito de Cabo Verde. Saímos de consciência tranquila, porque tudo fizemos para manter a conectividade entre ilhas. Eu próprio, fui eu que dei a palavra e que nós estávamos com Cabo Verde para o futuro. Só que, também é um ato de inteligência saber parar, para que não contamine os outros negócios da nossa empresa. E neste momento, Cabo Verde estava a começar a contaminar os nossos outros negócios, estava a começar a prejudicar financeiramente os outros nossos negócios."

Nuno Pereira contabiliza prejuízos superiores a 4 milhões de euros por conta das decisões da AAC mas nega que deixa dívidas para trás.

Ouça, em baixo, a noticia completa com as declarações do PCA da Bestfly, Nuno Pereira

Pode Interessar

Videos que pode Interessar