“Doença da descompressão é uma calamidade em Cabo Verde e afeta sobretudo jovens” - Abraão Vicente

05 Fevereiro de 2024

A+ A-

A doença da descompressão é uma calamidade em Cabo Verde e afeta sobretudo jovens, a afirmação pertence ao Ministro do Mar expressa ontem numa mesa redonda promovida pela Associação dos Armadores de Pesca para assinalar o Dia Nacional do Pescador celebrado pela primeira vez há 20 anos. Abraão Vicente reconhece que há jovens que estão em situação de desabilitados pela prática do mergulho em condições de pouca segurança.

O titular da pasta do mar anuncia a criação de uma equipa técnica para criar as soluções que podem passar pela aquisição de câmaras de descompressão.

A medida anunciada ontem por Abraão Vicente, desde Mindelo, converge com a proposta do presidente da associação dos armadores de Pesca do Porto da Praia em entrevista à RCV.

Samora Barros vai mais longe, além da certificação das garrafas de oxigénio já é altura de pensar nos primeiros socorros em atividade de mergulho.

O presidente da associação dos armadores do Porto da Praia defende que a primeira câmara de descompressão deve ser instalada no hospital Agostinho Neto porque a ilha de Santiago regista a maior parte dos mergulhares que exercem em Cabo Verde.

Samora Barros alerta, no entanto, que as ilhas do Sal e Boa Vista, pela intensidade do turismo de mergulho, merecem uma atenção particular.

As soluções para a descompressão estão a ser gizadas em parceria com a Universidade de Aveiro, uma informação anunciada ontem em São Vicente na mesa redonda sobre segurança pelo presidente da associação dos armadores de pesca de Cabo Verde, Susano Vicente revela que amanhã está agendado o primeiro com o especialista em medicina hiperbárica.

Numa mensagem, o Presidente da República exorta a todos os intervenientes no setor das pescas a unirem esforços para que sejam ultrapassados os obstáculos que ainda persistem. 

José Maria Neves chama a atenção que só através da cooperação podem ser implementadas melhorias significativas e garantir um futuro mais promissor para a comunidade pesqueira, em concreto, escreve o Chefe de Estado, mais e melhores infraestruturas e equipamentos de pesca, melhores condições de acesso ao financiamento, uma maior valorização do capital sociocomunitário, mais e melhor serviço de saúde e segurança social.

José Maria Neves reafirma que, enquanto Patrono da Aliança da Década do Oceano, está disponível para, juntamente com todos os parceiros nacionais e internacionais, promover a melhoria da literacia oceânica. 

Pode Interessar

Videos que pode Interessar

Audios que pode Interessar