Cantinas escolares de 15 concelhos são abastecidas por 80 agricultores do Fogo e de Santo Antão

11 de fevereiro de 2021

[foto Décio Barros]
A+ A-

As cantinas escolares de quinze concelhos do país são abastecidas por oitenta agricultores do Fogo e de Santo Antão que vendem a preços controlados mediante contrato, um resultado palpável do projeto “Práticas agroecológicas e comercialização participativa, como instrumento de nutrição escolar e de segurança alimentar comunitária. O projeto chega hoje e é momento de balanço. Os representantes dos agricultores reúnem-se hoje na Praia, com os principais parceiros do Programa Nacional de Alimentação e Saúde Escolar da FICASE.

O projeto práticas ecológicas resilientes e comercialização participativa começou em 2018 e abrange as zonas rurais com maior insegurança alimentar e onde há quase que uma ausência da assistência e da previdência social. Nessas zonas, os agricultores juntaram-se para uma produção que responda às demandas do mercado institucional. É, neste sentido, explica o Coordenador do projeto Adriano Palma, que às cantinas escolares da FICASE chegam agora produtos locais diversificados.

Com a FICASE as duas alianças de agricultores e produtoras das zonas de regadio e sequeiro do Fogo e Santo Antão estabeleceram um contrato de fornecimento e venda de produtos locais a um preço, realça Adriano Palma, bastante competitivo. 

Esta forma alternativa de criar instrumentos de segurança nas comunidades beneficiou não só 44 mil e 592 alunos, como também os agricultores e a economia local. O reconhecimento é do próprio presidente da Associação dos Agricultores da Ribeira da Cruz, em Santo Antão.

Hoje, com o encerramento do projeto práticas ecológicas e resilientes, os agricultores procuram alcançar outros mercados como é o caso dos de Santo Antão que conseguiram um contrato com a Região Sanitária de Santiago Norte para o abastecimento dos hospitais.

 

RCV / Hermen Alfredo



Artigos Relacionados