Alô CAN 2022: caminhada sem derrotas e com a melhor defesa do Grupo F

31 de março de 2021

Marco Soares agradeceu a Deus pela qualificação
A+ A-

Estava-se já na segunda parte. O minuto 58 foi o momento que marcou o jogo desta terça-feira, no estádio do Zimpeto, em Maputo.

Livre para Cabo Verde, descaído para a esquerda. O capitão Marco Soares assume a responsabilidade da cobrança. O médio bate e, à entrada da área, Stopira salta juntamente com um adversário, mas é o moçambicano, Faisal Bangal, quem acaba por desviar a bola para a sua própria baliza.

A euforia toma conta de todos os cabo-verdianos.

Ainda havia muito tempo para se jogar, mas, até ao apito final, nada se alterou. Cabo Verde, que até poderia qualificar-se com um empate, selou o apuramento com uma vitória. É a terceira vez, em 9 anos, que os Tubarões Azuis tiram o bilhete para o maior palco do futebol africano.

A seleção nacional fez história ao terminar a fase de qualificação sem derrotas.

Nas reações, recolhidas instantes depois pela RCV ainda no relvado, o selecionador, Bubista, elogiou o carácter demonstrado pela equipa. “Tinha pedido aos jogadores que tivessem confiança e o resultado está à vista. Desde o primeiro momento demonstrámos ser uma equipa que tem carácter. Esta vitória tenho de dedicá-la ao Marco, que veio para a seleção e deixou a mulher a fazer uma operação”, disse em declarações à Rádio de Cabo Verde.

Ora, precisamente, Marco Soares, também foi escutado pelo Moisés Évora, num momento de muita emoção. “Prometi a Deus, queria que ele se revelasse através de mim e só podia ser desta forma, com uma vitória. Tenho de agradecer a Deus, ele é minha fortaleza. Estou grato por esta oportunidade de estar aqui e poder ajudar Cabo Verde a qualificar para a terceira Copa de África”.

 Sobre a qualificação, conseguida sem derrotas, o capitão falou em sonho. “É um sonho, é um sentir de dever cumprido, e tenho de lembrar às pessoas que isto é histórico, qualificámos sem derrotas. Envio um abraço cheio de carinho a todos os cabo-verdianos no País e fora, que passemos alegria uns aos outros.”

Na baliza cabo-verdiana esteve uma fortaleza de nome vozinha, ele destacou a forma como Cabo Verde se uniu para conseguir o objetivo. “Desde o primeiro dia era esse o objetivo da equipa. Hoje é o culminar, o pessoal todo mereceu, às vezes fizemos viagens de dias, em plena pandemia para estar com a seleção. E hoje estamos a festejar esta grande alegria de ir para a CAN”, vincou em direto para a RCV.

O guardião, dono da baliza nacional desde 2012, foi o homem do jogo ao fazer várias defesas. Confrontado, preferiu destacar o trabalho de todo o grupo. “É trabalho, muito trabalho de equipa. O trabalho de equipa é que leva o guarda-redes a fazer boas exibições”, disse.

Cabo Verde foi a única seleção do Grupo F a terminar a fase de qualificação sem derrotas. Foram duas vitórias e quatro empates, 10 pontos, seis golos marcados, três sofridos, a melhor defesa do grupo.

Camarões ficou em primeiro com 11 pontos. Ruanda terceiro com 6 e Moçambique na última posição com 4.

Benvindo Neves com Moisés Évora, RCV



Artigos Relacionados