Novo coronavírus baralhou o cumprimento do segundo Plano Nacional dos Direitos Humanos - Zaida Freitas

22 de outubro de 2021

A+ A-

O surto do novo coronavírus veio baralhar o cumprimento de algumas ações previstas no segundo plano nacional dos direitos humanos.

Por isso, admite a presidente da Comissão Nacional para os Direitos Humanos e Cidadania, Zaida de Freitas, impõem-se alguns reajustes ao documento, com o objetivo  de o adaptar  à atual  conjuntura de crise pandémica.

Para uma resposta eficaz aos condicionalismos que a pandemia trouxe à execução desse instrumento, Zaida de Freitas considera essencial o concurso de todos os parceiros.

E é exatamente a procura da melhor forma de acelerar a implementação desse segundo plano nacional de Ação para os Direitos Humanos que responsáveis de vários organismos nacionais e estrangeiros se reúnem hoje na Praia.

Um encontro a que não faltou a ministra da Justiça, Joana Rosa, que aproveitou a ocasião para  anunciar as medidas que o governo vai implementar para  reforçar os direitos humanos e cidadania em Cabo Verde.

Apoiado pelas Nações Unidas, este  segundo plano nacional de ação para os direitos humanos prolonga-se até 2022, sendo o governo o responsável pela sua implementação.

 

RTC Online, com RCV (Carlos Moniz)

Disponibilizado Online por: Marcos Fonseca



Artigos Relacionados